Hayabusa GSX-R 1300 Falcão Peregrino









Hayabusa GSX 1300R

O que parecia uma guerra sem fim entre os grandes construtores com as suas ambições e objectivos, acabaram por criar verdadeiros mísseis teleguiados com o propósito claros de vencer essa corrida armamentistas por parte das motos de grande cilindrada. E assim nasceu a Hayabusa GSX 1300 da Suzuki.

Para destronar a famosa Honda XX 1100 Blackbird que marcou os finais dos anos 90 com as suas ilusórias capacidades de ultrapassar a barreira dos 300km/h, a Suzuki criou uma moto turística desportiva com uma aerodinamica estudada em túneis de vento com formas volumosas e nada convencional, agradando alguns e recebendo criticas de outros mais sem perder a sua qualidade ciclistica, e levando consigo o nome de um conhecido Falcão peregrino familiar para aqueles que costumam assistir o National Geografic.

Um verdadeiro manancial de potencia e ciclistica que torna a Hayabusa uma moto polivalente tirando aquela imagem esteriotipada de uma maquina construída para bater recordes de velocidade em retas, mais sim, trazendo no seu currículo uma capacidade ciclistica invejável para uma moto de tal tamanho e peso.

A Hayabusa com esse festival de engenharia conseguiu com isso despertar os nipónicos para uma corrida armamentista que parecia adormecida, e o seu adversário foi nada mais nada menos que a pulverizadora Kawasaki ZX 12R Ninja que foi lançada com o objectivo claro de destronar o falcão peregrino e manda-lo de volta ao ninho.

Mais toda essa guerra acabou por ser travada quando os governos europeus com as suas restrições mandou suspender sem aviso prévio a produção da Kawasaki Ninja para que fosse domesticada e limitada a sua potencia, obrigando assim aos construtores europeus a fazerem o mesmo as suas maquinas restringindo a uma velocidade que não chegasse aos 300km/h, graças aqueles moralistas que encaram as motos como um produto marginal desenvolvido para loucos que buscam suprir as sua necessidades psicológicas na velocidade.

Vendo por esse prisma deveríamos assim concluir que as Ferraris, lamborguines, porsches e demais carros velozes, são fabricados com o intuito de passearem pelas estradas obedecendo o limite de velocidade satisfazendo assim aos prazeres dos comportados e moralistas proprietarios que não possuem nenhuma paixão pela velocidade. Isso é um verdadeiro festival de hipocrisia, mais não vou embarcar nessa onda senão, não acabo essa matéria hoje.

Painel Hayabusa

Voltando a demolidora Hayabusa. Com todas as restrições impostas pelos governos a comercialização e limitação de velocidade, a Hayabusa não se deixa abater por esses actos preconceituoso e deixa qualquer piloto simplesmente deslumbrado com as suas prestações e desempenho. Com uma aceleração de 3,1s de 0 a 100km, faz qualquer Lamborghini ou Ferraris se arrepiarem, demonstrando em banco de potencia uma capacidade de 186,7cv/9600rpm e um binário de 151,6 NM/7100rpm.

Kawasaki Ninja ZX12R

Toda essa potencia para transportar o privilegiado piloto e os 263kg dessa maquina, criando assim uma relação peso potencia de 1.4kg por cavalo. Admirável. Uma aceleração de 0 a 1000m de 18.8s. Mais atenção! Como eu havia dito antes, não é uma maquina desenvolvida só para bater recordes de velocidades em retas, mais sim, disponibilizando uma ciclistica que surpreende a todos levando em conta o seu peso e volume.

Honda CBR1100XX Super Blackbird

Tenho boas horas de testes e experiências com a Hayabusa e devo acrescentar aos proprietários das mesmas ou aos futuros proprietarios que uma simples troca de ponteira do escape por uma Yoshisimura ou Akrapovic eleva a resposta e capacidade do motor a um nível simplesmente admirável, tornando a resposta mais rápida e fazendo desaparecer o seu peso, mais atenção na hora das travagens muito forte, o peso que havia desaparecido surgirá de forma assustadora.

Recordo de algumas situações vividas na presença dessa bomba que tem a tendência a aplicar valentes sustos aos seus proprietarios. Saindo de uma concentração de motards em Faro “Portugal” indo em direcção ao norte do país a uma velocidade cruzeiro e tranquila com a minha Kawasaki ZX12R, colo na traseira de uma Hayabusa e mantivemos um ritmo de passeio tendo o proprietário da mesma, aquela tradicional necessidade de mostrar as qualidades da sua maquina, mais isso até chegarmos a uma curva para esquerda que circundava uma grande rotunda. Nesse momento reduzir a rotação da minha menina, joguei uma 2º e desviei o olhar por centésimo de segundo para o conta rotação e quando voltei a olhar para a frente a Hayabusa havia desaparecido, e do lado esquerdo chamou-me atenção uma enorme poeira que crescia ao lado da pista que só passado alguns segundo percebi que o piloto da hayabusa não havia concluído a tal curva a esquerda, e que tinha simplesmente varado a terra com toda a sua cavalaria.
De imediato parei para dar socorro e percebi que se tratava de um homenzinho com os seus 1.55m de altura deixando transparecer sem a mínima dúvida a sua inexperiencia em cima de uma moto desse calibre. Portanto, conclusão da história, uma moto com essas capacidades exige por parte do seu futuro proprietário uma certa dose de experiencia para se aventurar em cima de uma maquina de tal potencia.

Recordo-me também de uma outra situação passada com um amigo que possui uma Hayabusa último modelo. Estávamos no centro de Portugal e entramos em uma rotunda a uma velocidade baixa que se situava em torno de uns 50 a 60km/h e ao sair da rotunda ao amigo abrir o acelerador da a mesma teve uma reacção simplesmente assustadora, sem pré aviso a moto fugiu com a roda da frente e a traseira a acompanhar, ela simplesmente se desgovernou por completo, tendo o amigo com a sua experiencia e “susto” a brilhante ideia de desacelerar e esperar que a ciclistica da moto equilibra-se as forças que actuavam sobre ela. Foi sem dúvida um grande susto para uma moto acabadinha de sair da loja.

Diante de tal situação nos colocamos em uma posição de avaliação das causas provaveis que levaram a essa perda de aderencia, mesmo diante do excesso de peso por parte do piloto e da pessima qualidade do piso, ficou uma dúvida no ar quanto as capacidades ciclistica da moto no que consiste em saidas de curva. Evidentemente essa situação seria solucionada com uma simples afinação da suspensão levando em conta o peso do piloto. Finalizando o raciocinio com a demonstração inequivoca de que precisamos conhecer muito bem a nossa maquina, desenvolver uma afinação que se enquadre ao nosso peso e altura, e prepararmos situações limites e controladas para conhecer as possiveis reações das nossas maquinas quando submetidas a testes criticos como, travagens e acelerações violentas.

Deixo para voçês algumas medições referentes as capacidades técnicas e ciclisticas da Hayabusa, e desejo a todos, boas curvas e aproveitem ao máximo as emoções e adrenalina criada por essas maquinas maravilhosas. Obrigado.

Anildo Motta

Divulgue. Obrigado

Share