KAWASAKI NINJA ZX12R ” O mito “

.


KAWASAKI NINJA ZX12R

O Mito

Nesse artigo resolvi falar sobre a histórica Kawasaki Ninja ZX12R, e comentar sobre a imparável competição entre os grandes construtores de motos em produzir a melhor maquina, a mais potente, a mais leve, a mais fácil de inserir em curvas, os melhores travões, a melhor aerodinâmica e vários outros factores que definem uma excelente maquina.

http://motospaixaoeliberdade.anildomotta.com.br

Kawasaki ZX12R Ninja
Irei abrangir a classe das turísticas desportivas ou melhor, Hyper sport. Como comprovaram na edição anterior, as turísticas desportivas são motos com características estradistas e alguns componentes desportivos no que se refere a entrega de potencia, travagens, suspensões e alguns outros elementos que permitiram uma condução mais rápida, evidentemente nunca podendo ser comparada com uma desportiva, devido ao seu excesso de peso e a grande distancia entre eixos. As desportivas são produzidas como disse antes com o único objetivo, de bater recordes, e no que se trata de qualidades turísticas essas feras não tem nada a oferecer apenas velocidade.

http://motospaixaoeliberdade.anildomotta.com.br

Eu e a minha menina

As turísticas desportivas procuram brindar o seu proprietário com mais conforto e a possibilidades de empendurar toda a tralha no caso de uma viagem longa sem nunca reclamar.

A honda possuía a considerada na altura a mais rápida turística desportiva, a temivel Honda CBR 1100 XX Super Blackbird que prometia alcançar os 300 km/h. Essa maquina viria ocupar o lugar da famosa Kawasaki ZZR 1100 conhecida no Estados Unidos como a ZX 11 e foi considerada no mundo dos desportos nos anos 90 como a “ The Word´s Bike Fastest Production” A moto mais rápida do mundo já fabricada.

http://motospaixaoeliberdade.anildomotta.com.br

Honda CBR XX  Super Blackbird
A sua velocidade ultrapassava os 285 km/ que para a época era fenomenal. A Kawasaki ZZR marcou os anos 90 com a sua temível capacidade ciclística até surgir a Honda XX Black Bird prometendo uma melhor ciclística, maior velocidade de ponta e muita tecnologia.

Testei a Black Bird e confesso que as aptidões apresentada pela honda no que consiste a ultrapassar os 300km/h só funciona mesmo nas mãos deles e dentro de uma sala em cima de um banco de potencia e com muitos poisinhos mágicos, porque em uma estrada aberta é completamente impossível  Embora coma sua magnifica proteção aerodinâmica isso não a protege contra os ventos criados a essa velocidade. Acima dos 270km/h a BlackBird recebe abanões enormes e se o piloto tiver coragem de arriscar estará simplesmente numa roleta russa, estando sujeito a ser atirado para for a da estrada.

Testei-a em um dia em que o clima encontrava-se em perfeita harmonia, pouquíssimo vento e uma temperatura ideal para o mês de agosto, verão na Europa. Apanhei a auto estrada que liga Lisboa ao Porto (Portugal) e procurei explorar a bem a dita BlackBird ficando completamente decepcionado com a mesma.

Como não podia deixar de ser os outros construtores já estudavam e projetavam  novas maquinas para abater a famosa Honda Blackbird, sendo a Suzuki a respostar com a volumosa Suzuki Hayabusa também conhecida como GSX 1300R, possuindo um motor de 1340 cc de 4 cilindros em linha.

http://motospaixaoeliberdade.anildomotta.com.br

Hayabusa GSX 1300R
A Hayabusa ocupa sem perdoar a posição de moto mais potente do mundo, ultrapassando os 300km/h dentro de uma segurança e proteção aerodinâmica que nos levava a questionar se era realmente real, porque o conforto e facilidade tornava esse objetivo tão simples e rápido que parecia uma brincadeira. Quanto a velocidade real da Hayabusa testada no banco de potencia alcançava os faraônicos 304Km/h “reais”.

Mais a história não ficava por aqui. Em 2000 a kawasaki com o obetivo de volta a linha de frente lança um verdadeiro monstro chamado, Kawasaki Ninja ZX12R. Uma moto com 1200cc mais leve e compacta.

As capacidades desse míssil chamou a atenção de todos no mundo das motos. As qualidades ciclística dessa moto jogou a hayabusa para trás da fila. A Kawasaki ZX12R não só ultrapassava a barreira dos 300Km/h, como apresentava qualidades desportivas bastante acentuadas, tirando assim um pouco do conforto em prol da desportividade deixando o conforto do piloto e passageiro em 2º plano. Mais quem adquiri uma moto com essas características  não esta muito preocupado com o conforto de uma grande turística e nem com a posição agradável de uma Goldwing, preferem apenas “Voar.”


A ZX12R era na realidade uma grande desportiva com qualidades “algumas” turísticas, enquanto a Hayabusa mantinha um maior caráter turísticos em temos de posição tamanho e conforto.

A Ninja apresentava um menor peso, uma menor distancia entre eixos o que permitia uma inserção em curva mais rápida, um quadro monochoque o qual  passava por cima do motor e não pelos lados, situação essa que levou o tanque de combustível a ser colocado no meio da moto criando um equilíbrio de massas extremamente importante nas mudanças de trajetória  A sua velocidade de ponta de acordo com todos os testes ultrapassavam a hayabusa e tudo isso levava a crer que a guerra estava oficialmente declarada.

Kawasaki ZZR 1400Ninja

Kawasaki ZZR 1400Ninja   ” A substituta ”

É muito fácil comprovar a rebeldia e agressividade da Ninja, até mesmo os amantes mais fervorosos das hayabusas após umas voltas com a Ninja encolhia os ombros e franziam a testa demonstrando respeito e admiração, mais evidentemente sem deixar de valorizar as qualidades da hayabusa que naturalmente tornava-se mais viável para aqueles que buscam uma condução não tão agressiva e com um pouco mais de conforto.

Testei todas elas. Quando conduzi a 1º vez a Ninja, foi na mesma auto estrada que testei a Honda Blackbird. Fiquei simplesmente chocado com a tamanha facilidade de condução e a agressividade com que ela ultrapassava os 300Km/h, a forma suave e decisiva nas entradas de curvas, e a saída brutal levando a frente a levantar sempre procurando apontar para o céu. Fiquei simplesmente apaixonado!

Em 2002 a Kawasaki foi obrigada derivado as restrições imposta pelos países Europeus a restringir a velocidade de ponta da ZX12R, a qual foi retirada potencia e domesticada a sua atitude, lançando uma nova ZX12R, bem diferente da sua antessesora no que se refere a entrega de potencia.

Quando a Hayabusa foi lançada eu era um amante incondicional, vivia sonhando em compra-la o mais breve possível. Na época eu possuía a endiabrada desportiva, Honda FirebladeRR, embora fosse uma mudança de estilo muito grande, eu acreditava que a hayabusa iria preencher todos os requisitos a nível desportivo. Gosto de uma condução agressiva, gosto de sentir a moto em altas, gosto de provoca-la e sentir a sua ira, gosto de ve-la gritar com a rotação do motor aproximando-se do vermelho, e gosto que ela conquiste o meu respeito.

Foi o que levou-me na altura que estava indo comprar a Hayabusa, optar pela Ninja. São estilos bem diferentes. Quem realmente gosta da agressividade de uma ZX12r não se satisfaz com uma hayabusa, e que gosta realmente da tranquilidade e conforto da hayabusa não se satisfaz com a peste da Ninja.

Mais essa maravilhosa kawasaki foi responsável por medidas retritivas imposta pela União Europeia, que resolveu acabar de vez com essa corrida armamentista, proibindo e obrigando a todos os construtores Japoneses a limitar esses monstros e acabarem com essa guerra. Isso levou a uma mudança completa na maneira de ver as grandes Hyper sport. A kawasaki concluiu que teria que produzir uma turística desportiva para competir com a Hayabusa, ou seja, oferecer ao publico uma moto confortável e com um caráter mais turístico deixando de lado a produção da aterradora Kawasaki ZX12R a qual possuía uma característica que não preenchia os requisitos dos que procuravam uma moto com caráter mais calmo e turístico, ou seja, “Os aposentados” ou “Cotas” como se diz em Portugal.

A graciosidade e carisma da Kawasaki ZX12R ficará na historia, a sua entrega violenta e decidida de potencia será substituídas por controles eletrônicos assim como ocorre nas novas Hayabusa e na substituta da 12r, a Kawasaki zzr 1400.

Desnecessário salientar que hoje em dia embora toda essa tecnologia eletrônica limitando essas maquinas, o feliz proprietário investindo um pouco mais consegui libertar esses motores e melhorar de forma acentuada a entrega de potencia das suas meninas. Uma simples troca de coletores e ponteiras de escapes com a introdução de um filtro de competição “KN” por exemplo, e um bom powercomade instalado a moto já apresentará um novo comportamento. Mais essa gracinha vai lhe custar aproximadamente uns 2500 euros.

Agora imaginem a temível ninja ZX12R que por natureza já nasceu livre e selvagem, levar com esse equipamento. O comportamento é simplesmente assustador. E foi o que fiz na minha, após a instalação de um system complete AKRAPOVIC, ponteiras e coletores, por alguns segundos fiquei um pouco em dúvida se conseguiria controlar esse animal, mais com o passar de alguns km, fui aprendendo a lidar com essa usina de força. É simplesmente um sonho! Obrigado amigos, até a próxima!

Boas curvas
Anildo Motta

 


COMPARTILHE ESSAS INFORMAÇÕES:

Share